Quatro dos empregados de Otto Frank ajudam os escondidos no Anexo Secreto.

Quatro empregados

Miep Gies (à esquerda) e Bep Voskuijl.
  • Imprimir

As pessoas que estavam escondidas eram ajudadas por quatro empregados de Otto Frank: Miep Gies, Johannes Kleiman, Victor Kugler e Bep Voskuijl. O marido de Miep, Jan Gies, também ajuda; e o pai de Bep, Jan Voskuijl, também está envolvido.

Anne escreve:

"Nunca pronunciaram uma única palavra sobre o fardo que devemos ser, nunca se queixaram de que damos muito trabalho. Vêm cá acima todos os dias e falam com os hoomens sobre negócios ou politica, com as mulheres sobre comida e as dificuldades dos tempos de guerra, com as crianças sobre livros e jornais."

Quem é quem?

Escondidos e ajudantes.

As pessoas

Os quatro protetores trabalhavam na Opekta desde há algum tempo: Miep Gies e Victor Kugler desde 1933 e Bep Voskuijl desde 1937. Ainda que Johannes Kleiman só tenha começado a trabalhar na Opekta em 1938, Otto Frank já o conhecia desde 1923. Existe uma relação muito amigável entre o diretor e os seus trabalhadores.

Penas severas

Johannes Kleiman e Victor Kugler foram os primeiros a saber sobre o plano do esconderijo. Miep Gies e Bep Voskuijl foram informadas mais tarde.

Otto Frank pergunta aos protetores se estão preparados para o ajudarem a si e à sua família assim como à família Van Pels. "Imediatamente todos os quatro disseram que sim, mesmo estando conscientes do perigo da tarefa que assumiram. Pela lei nazi, todos os que ajudassem judeus seriam severamente castigados e arriscariam ser postos na prisão, deportados e mesmo fuzilados," escreve Otto Frank numa carta depois da guerra.

Escritório Miep Gies, Bep Voskuijl e Jo Kleiman trabalhavam neste escritório (fotografia do Anexo Secreto remobilado: Allard Bovenberg).

Completamente dependentes

Desde o momento em que decidem esconder-se, as famílias Frank e Van Pels - e mais tarde Fritz Pfeffer - encontram-se completamente dependentes dos seus quatro protetores. Desde o dia 6 de julho de 1942, as vidas de Miep Gies, Victor Kugler, Johannes Kleiman e Bep Voskuijl estão completamente dominadas pela ajuda aos que se encontravam escondidos no Anexo Secreto. Mesmo assim, ao contrário daqueles que estavam escondidos, de vez em quando eles podiam esquecer um pouco as preocupações com uns dias de férias, idas ao cinema, ou visitas a familiares e amigos.

Normalidade

Enquanto as pessoas escondidas vivem no Anexo Secreto, a empresa de Otto Frank continua a trabalhar normalmente. As pessoas que trabalham no armazém do rés-do-chão não sabem de nada, à exceção do diretor do armazém, Johan Voskuijl, pai de Bep. No final de agosto de 1942 ele construiu a estante de livros móvel para esconder a entrada para o Anexo Secreto.

O armazém Os trabalhadores do armazém não haviam sido informados de nada (fotografia do Anexo Secreto remobilado: Allard Bovenberg).

A visita da tarde

Durante o dia, os que se encondem no Anexo, têm de ser muito cuidadosos e silenciosos. Os empregados do armazém também não devem deixar ninguém entrar. À tarde, os empregados do armazém vão para casa para um intervalo. Então os protetores quase sempre sobem durante um pouquinho e almoçam com as pessoas escondidas no Anexo Secreto. Todos no Anexo Secreto aguardam impacientemente estas visitas.

Quatro empregados Quatro dos empregados de Otto Frank ajudam quem se esconde no Anexo Secreto

As pessoas que estavam escondidas eram ajudadas por quatro empregados de Otto Frank: Miep Gies, Johannes Kleiman, Victor…

Mais...

Muitas tarefas Desde comprar merceeria até subir a moral

Os protetores traziam comida, roupas, livros e todo tipo de coisas necessárias...

Mais...