Fritz Pfeffer

Fritz Pfeffer nasceu a 30 de abril de 1889 em Giessen, Alemanha. Os seus pais eram judeus e tinham uma loja de roupas no centro da cidade. A família era religiosa e Fritz continuou com esse hábito. Após o ensino secundário, Fritz vai estudar odontologia em Berlim, onde começa a trabalhar como dentista logo após a faculdade. Em 1926 casa-se com Vera Bythiner, a qual era bem mais nova do que ele. O filho deles, Werner, nasce a 3 de abril de 1927. Em 1933 o casamento de Peter termina em divórcio. Fritz Pfeffer recebe a custódia de seu filho.

Após seu divórcio Fritz Pfeffer encontra Charlotte Kaletta. As Leis de Nuremberg de 1935 proíbem o casamento entre judeus e não-judeus, o que torna o casamento de ambos impossível. Depois da "Kristallnacht" - a Noite dos Cristais - Fritz Pfeffer e Charlotte Kaletta decidem emigrar para a Holanda. Aqui, o casal também não tem permissão para se casar. O que eles querem, na verdade, é ir para a América do Sul, mas não conseguem ir embora da Holanda. Eles mandam Werner para a Inglaterra.

Werner rumo à Inglaterra

Depois da Noite dos Cristais, Fritz consegue um lugar para Werner no barco que vai para a Inglaterra. A Inglaterra ainda aceita alguns poucos refugiados judeus, especialmente crianças. Provavelmente, Werner pertencia ao grupo de 350 refugiados, vindos do norte da Alemanha, que chegaram em 15 de dezembro de 1938 em Harwich.

Mais...

O oitavo escondido

Em 16 de novembro de 1942, Fritz Pfeffer passa a se esconder no anexo secreto. Ele é um judeu conhecido da família Frank e trabalha como dentista em Amsterdã. Miep Gies é uma de seus pacientes. Um dia, ele pergunta se ela sabe de um esconderijo para ele. Miep conversa com Otto Frank a respeito. Após discutir o assunto com outras pessoas do esconderijo, além de Johannes Kleiman e Victor Kugler, ele decide que uma oitava pessoa se juntará a eles no esconderijo.

Mais...

Miep como mensageira

Miep Gies atua como mensageira entre Fritz e Charlotte.  “Uma semana, eu conheci Charlotte Kaletta, uma loira charmosa, um ano mais velha do que eu. Entreguei-lhe um calhamaço de cartas que Fritz havia enviado e ela me deu em troca cartas, livros, encomendas e instrumentos odontológicos que ele havia pedido. (...) Eu fingi que não tinha ideia de onde seu marido estava escondido, mas, Charlotte era uma mulher discreta e sensível. Ela sabia que não devia fazer perguntas e nunca me perguntou nada. Apenas trocávamos, toda semana, pacotes e cartas”.

Mais...

30 de abril de 1889

Nasce em Giessen (Alemanha)

1926

Fritz se casa com Vera Bythiner.

3 de abril de 1927

Nasce Werner, o filho de Fritz en Vera.

1933

Fritz e Vera se separam e Werner vai morar com Fritz.

1935

Fritz e Charlotte não podem casar, segundo as leis de Neurenberger.

Dezembro de 1938

Primeiro Fritz envia seu filho Werner, via um transporte para crianças, para sua família na Inglaterra. Após a Noite dos Cristais, ele foge com Charlotte para a Holanda.

16 de novembro de1942

Fritz passa a se esconder no Anexo Secreto.

4 de Agosto de 1944

Os escondidos são presos e vão para o campo de transição de Westerbork.

3 de setembro de 1944

Deportação para o campo de extermínio de Auschwitz-Birkenau (na Polônia ocupada pela Alemanha).

6 de setembro de 1944

Chegada em Auschwitz. Fritz sobrevive a seleção.

Outubro de 1944

Deportação para o campo de concentração Neuengamme (Alemanha).

20 de dezembro de 1944

Fritz Pfeffer morre em Neuengamme.

Final de 1945

Charlotte Kaletta descobre que Fritz está morto.

1946

Werner parte para os Estados Unidos e muda seu nome para Peter Pepper.

9 de abril de 1953

O casamento de Charlotte e Fritz é reconhecido, de forma retroativa, em 31 de maio de 1937.

15 de fevereiro de 1995

Peter Pepper morre.

Fritz e as pessoas à sua volta

Anne Frank Filha de Otto e Edith, irmã de Margot

Anne, filha de Otto e Edith e irmã de Margot, era sempre a brincalhona, porém, tinha um lado sério também.

Mais...

Miep Gies Mulher de Jan Gies

Miep é a secretária na empresa de Otto, a Opekta

Mais...

O que Anne escreve sobre Fritz

“O Sr. Pfeffer, o homem que dizem gostar de crianças e se entender bem com elas, tem se revelado um educador antiquado, que gosta de dar sermões intermináveis sobre boas maneiras e bom comportamento”.